“Ser jornalista é ser toda a gente, porque pensamos sempre nos outros, no que as pessoas querem, precisam e gostam”.

Vanda Cavuquila é um rosto conhecido do canal televisivo TV Zimbo, tivemos contato com seu trabalho através do programa debate livre em que Vanda em algumas ocasiões lia as perguntas dos telespectadores, atualmente como produtora de informação TV Vanda sempre almejou ser jornalista.

Vanda Cavuquila concedeu entrevista à Fau-me.Confira a entrevista.

 Fale um pouco sobre as suas origens, sua família, bairro onde cresceu e formação acadêmica.

Sou natural de Luanda, nascida no agora distrito do Kilamba Kiaxi. Filha de pais natural da Quissama, antes província do Bengo.

Sou licenciada em Ciências da Comunicação pela Universidade Independente de Angola (ANO 2011). fiz formações (o básico e o profissional) em Jornalismo pelo CEFOJOR. No ensino médio fiz o curso de Ciências Sociais.

Sempre tive muito bom aproveitamento nas aulas. Estava sempre entre aproximadamente os cinco melhores (alunos) da turma; quer seja no médio como na universidade, e penso que se estuda o tempo todo, até porque todo o dia aprendemos algo novo. Eu aprendo mais ao estudar mais, pesquisar mais e empenhar-me muito para tal.

Tem alguma historia de superação?

Na vida sempre temos momentos difíceis, mas graças a Deus os maus momentos que passei, foram sempre tão passageiros que não vejo relevância em descrever aqui.

Como você se vê como pessoa?

Creio que sou uma pessoa boa, amável e de bom coração, sou muito exigente comigo mesma, e muitas vezes com os outros também.

Como surgiu a ideia de ser jornalista/produtora?

Desde pequena que o meu sonho era o de ser jornalista. O meu pai notou esse desejo em mim, e impulsionou-me a perseguir esse sonho, daí ter feito cursos adequados ao que queria ser e fazer no futuro.

Quando é que entra para TV Zimbo e como tudo começou?

Vou parar à Zimbo, quando em finais de 2011, a televisão começa a requisitar novos talentos e lançaram um site onde os candidatos mandavam os seus currículos. Assim o fiz, e passado algumas horas do mesmo dia fui contatada para uma entrevista e logo a seguir a isso, fui contrata para trabalhar. Nunca pensei que seria eventualmente produtora de informação, porém quando comecei o Diretor de Informação na altura, o Diretor Guilherme Galliano, achou por bem que eu começasse como produtora porque não tinha experiência nenhuma como profissional de comunicação.

 Conte-nos sobre seus primeiros dias de trabalho

Os primeiros dias foram difíceis, porque achei que não ia conseguir adaptar-me ao ambiente de trabalho e depois estava a trabalhar com grandes nomes da comunicação social. Na altura, eu era uma rapariga muito tímida, e não sabia como fazer para melhorar neste aspecto; mas depois de uma chamada de atenção por parte do Director Galiano, passei a encarar aquela realidade com outros olhos, e a partir daí tudo fluiu para melhor.

 Como você identificou que trabalhar na TV Zimbo era uma oportunidade?

A minha intenção era fazer jornalismo de imprensa (jornais ou revistas), nunca me passou pela mente fazer televisão. Entretanto, depois de enviar vários currículos aos jornais e rádios e não obter sucesso, e como a Zimbo estava a recrutar novos talentos, decidi continuar a tentar, e mesmo sem crer, deu certo.

Em sua opinião qual o fator mais importante para o sucesso de uma carreira?

Eu acho que o fator mais importante para o sucesso da carreira de qualquer pessoa; é o empenho. Quando levamos a sério o que estamos a  fazer, fazemo-lo bem. Todo bom trabalho deve ser fruto de muita dedicação.

 Como lida com o fracasso?

Lido com o fracasso de forma negativa sou uma pessoa muito exigente, e quando as coisas não correm como quero, fico mal. Mas o bom é que o meu mal-estar dura apenas 24 horas, no dia seguinte já sacudo a poeira e avanço sem pestanejar no sentido de fazer mais e melhor.

 Quantas horas você trabalha por dia? Trabalha nos sábados e domingos?

Trabalho 8 horas por dia, e como é em regime de turno, naturalmente que também trabalho aos finais de semana, em modo de escala.

O que você diria a alguém que está pensando em iniciar uma carreira como Jornalista?

Para quem quer ingressar no mundo jornalístico, dou-lhe os meus mais sinceros incentivos, porque é um mundo apaixonante onde todos os dias aprendemos algo novo. A melhor sensação é poder levar a informação até a sociedade de todos os estratos. E como sempre digo ser jornalista é ser toda a gente, porque pensamos sempre nos outros, no que as pessoas querem, precisam e gostam.

 

Deixe uma resposta